quinta-feira, 19 de abril de 2012

Comemoração ao dia do Folclore

Fotos dos alunos da 7ª A, da Escola Estadual Frei José da Encarnação, em comemoração ao dia do folcore.
Pesadelos

Ueslaine
3º ano C
Ensino Médio


Durante toda a minha infância sempre fui uma garota praticamente solitária, sem muitos amigos para conversar, ou quem sabe pedir ajuda para resolver alguns problemas do meu dia a dia. Na escola sempre me sento sozinha num canto da sala, pois não me identificava com ninguém, sempre rolava um papo aqui e ali, mas acabava sozinha de novo, não tinha coragem de contar aos colegas dos pesadelos tão reais que eu tinha, podiam me achar louca.
Depois, eu perdi minha mãe naquele trágico acidente de carro, nunca me recuperei do trauma e talvez por isso não tenha tantos amigos; tenho medo de perdê-los também e sofrer de novo. Já faz três anos que ela morreu e desde então não saio  mais de casa, a não ser para a escola, ou na casa da tia Mirian. O papai me dar forças para eu tentar uma vida nova, mas eu não consigo.
Outro dia fui dormir tarde. Acho que meia noite quando entrei no quarto e vi uma luz forte e meio azulada vindo debaixo da cama fiquei com muito medo, pois não imaginei o que pudesse ser, pensei em chamar papai, mas ele já estava dormindo, pois tinha chegado tarde do trabalho muito exausto. Entrei no quarto e abaixei vagarosamente, com receio para olhar debaixo da cama. Quando de repente as janelas se fecharam bruscamente com um vento forte, gelado e inesperado. Eu gritei assustada e o papai veio correndo ver o que tinha acontecido, eu contei para ele o que houve, mas ele não sabe o que realmente aconteceu e nem eu. Já tinha acontecido antes, mas não contei a ele, vive com muitos problemas e muito preocupado comigo, não quero que ele se sinta tão mal. Pensei por um segundo que fosse minha mãe, mas depois desfiz a idéia. Acho que não seria possível, pois eu não a vi. Nesta noite dormir no quarto do meu pai, mas estou grandinha e acho que ele vai se casar de novo com a Sílvia e não vou poder dormir mais com ele.
Silvia é legal mais eu queria minha mãe de novo comigo. Tentarei fazer novos amigos, quem sabe assim me sinto melhor e me recupero desse grande trauma.